Os psicopompos ou guias dos mortos

Os psicopompos, guias dos mortos.

Psicopompos vem do grego psychopompós (psychopompos), e significa guia de almas (Psyche, ” alma “, e pompos ” o que conduz “). Trata-se de criaturas sobrenaturais, às vezes angelicais, outras nem tanto, responsáveis por acompanhar o morto em A sua viagem de enterro. Não os julgam, encarregam-se de guardar a sua viagem para o além.

Aparecem em mitos de todas as partes do mundo e, em geral, adoptam as mesmas figuras em diferentes iconografia: Cães, corujas, cavalos e corvos. Em muitas culturas ditas “primitivas”, o psicopompo é representado pelo próprio xamã, funcionava como um farol para o morto, que segue as palavras e desta forma consegue encontrar o caminho certo na outra vida.

Outras culturas, pelo contrário, asseguram que os psicopompos não só escoltado os mortos, mas as almas que descem à terra para encarnarse-los novamente. São umas criaturas pouco conhecidas hoje, no entanto são fundamentais em todas as mitologias e religiões, especialmente nas suas fases mais adiantadas.

A mitologia nórdica tem as valquírias, senhoras terríveis que escoltado os mortos na batalha para os amplos salões de valhalla. Mesmo o próprio wodan, no início, dedicou-se a este trabalho.

Os Celtas tiveram a anku, e depois a morrigain, uma fada / Deusa especializada no transporte de almas. Os egípcios adoraram anubis, Deus encarregado da logística espiritual.

Os gregos, e quase todos os povos do Egeu, tiveram o velho caronte, o barqueiro que levava os mortos sobre o rio aqueronte rumo ao Hades e, claro, ao Deus Hermes, encarregado de acompanhá-los até à presença de Hades.

Os Hindus viram em agni, um Deus ígneo, ao transporte dos mortos. O Islão tem azrael, um anjo que, por vezes, age como um demónio, para levar os seus occisos às roxas de Alá.

Os japoneses acreditavam no Deus da morte, uma espécie de guia espiritual dos mortos.

Os judeus, por seu lado, têm vários psicopompos: Abraão, Gabriel e lailah, todos eles cumprem rigorosamente a sua tarefa.

O Cristianismo também não esteve a salvo da influência dos psicopompos, tanto os anjos (São Miguel), como alguns santos, Santa Bárbara, são Pedro, por exemplo, tomaram a forma de suas antigas formas Mesopotâmia.

A lista poderia esticar indefinidamente, incluindo todas as culturas precolombinas, como os maias, incas e astecas, talvez o mais famoso é o xolotzcuintle, o DEUS-cão xólotl, encarregado de acompanhar o defunto até a última das nove etapas do mictlán.

por Patriciatarologasp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s