Animais de poder

Existem relatos de três tipos de familiares:

   O espírito de um humano que já faleceu, e que concorda em auxiliar a bruxa em suas práticas mágicas. Um relato disto acontece no livro A Enciclopédia da Bruxaria, de Doreen Valiente.

   Um elemental, uma criatura não-humana. Estes são bastante comuns, pois algumas pessoas com seus laços com os Dragões, Fadas, entre outros seres mágicos, podem acabar ganhando a confiança de um ser específico que queira trabalhar com eles de forma conjunta. Relatos de familiares elementais existem em relação ao famoso ocultista Paracelso – diz-se que ele possuía um familiar que morava em uma grande pedra preciosa.

   Um animal vivo, como um gato, um cão, um pássaro, não importa o animal. É necessário apenas ter um laço forte de confiança e de amor entre o dono e o animal, e a permissão do animal para que se possa trabalhar em conjunto. Estes familiares costumam ter uma conexão mágica com a bruxa muito maior do que qualquer outro animal, sendo atraídos um para o outro.

   Os animais vivos como familiares não são como uma ferramenta de magia, e sim, um participante ativo, que opta ou não por participar. Antes de realizar qualquer forma de magia com a participação de um familiar – seja ao utilizar sua energia, seus pelos ou outra coisa relacionada a ele -, é importante que se peça a permissão ao animal. Esta permissão pode ser feita através de uma pergunta direta, ou de uma meditação.

   Os familiares precisam ter uma conexão muito forte com a bruxa, por isto, costumam estar sempre presentes em seus rituais e celebrações de todo o tipo. É uma das formas de manter os laços, que também pode ser feita de outras maneiras – como por exemplo, a utilização de fluidos corporais, como a saliva.

   Os conceitos de animais familiares são similares às práticas do xamanismo, quando cada xamã possui seu animal de poder, e trabalha em conjunto com este espírito ancestral para ampliar seus conhecimentos e seu poder pessoal. Ou seja, seu familiar pode lhe auxiliar não apenas na magia prática, mas também como um guardião do praticante.

   Deuses também possuem seus animais de poder, como é o caso de Hécate e seus cães negros, ou Athena e as corujas. Outras deidades, como Morrighan e Bastet, podem transformar-se nos próprios animais, como sendo uma forma de seu corpo. São símbolos, mas também são animais que podem ser trabalhados como sendo aspectos das divindades

por Patriciatarologasp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s