Liberte sua mente

Liberta-te da tua mente

A boa nova é que podes libertar-te da tua mente, que é a única verdadeira libertação. E podes dar o primeiro passo agora.

Começa por ouvir a voz que fala dentro da tua cabeça, e fá-lo o mais frequentemente possível. Preste atenção especial a qualquer padrão de pensamento repetitivo, a esses velhos discos de gramofone que podem estar girando em sua cabeça durante anos.

Isto é o que chamo de “observar o pensador”, que é outra forma de dizer: escuta a voz dentro da tua cabeça, mantém-te lá como uma presença que testemunha.

Quando ouvires a voz, Fá-lo com imparcialidade. Quero dizer, não julgues. Não julgues nem condenes o que ouves, porque isso significaria que a mesma voz voltou a entrar pela porta das traseiras.

Em breve vais perceber isto: a voz está lá e eu estou aqui, a observá-la. Esta compreensão eu sou, esta sensação de sua própria presença, não é um pensamento. Vem de além da mente.

Assim, quando você ouve um pensamento, você não só está ciente do pensamento, mas também de si mesmo como testemunha do pensamento. Fez a sua aparição uma nova dimensão de consciência.

Quando ouve o pensamento, sente como se houvesse uma presença consciente – o seu eu fundo – por baixo ou atrás dele. Assim o pensamento perde seu poder sobre você e dissolve-se rapidamente, porque já não energetizas sua mente através da identificação com ela. É o princípio do fim do pensamento compulsivo e involuntário.

Quando o pensamento se silêncio, a uma descontinuidade na corrente mental, uma falha de “Não-mente”. no início as brechas serão curtas, talvez durarem alguns segundos, mas gradualmente se. Quando estas descontinuidades acontecem, sentes alguma paz e sossego dentro de ti. É o princípio do estado natural de se sentir unido ao ser, geralmente nublado pela mente.

Com a prática, a sensação de silêncio e de paz vai a. Na verdade, essa profundidade não tem fim. Você também sentirá uma sutil emanação de alegria elevando-se do fundo de você: a alegria de ser.

Neste Estado de ligação interna estás muito mais alerta, mais desperto do que no estado de identificação mental. Estás completamente presente. E também aumenta a frequência vibratória do campo energético que dá vida ao corpo físico.

À medida que façam neste reino da não-mente, como por vezes é chamado no oriente, você está alcançando o estado de consciência pura. Nesse Estado sente sua própria presença com tamanha intensidade e alegria que, em comparação, todo pensamento, toda emoção, seu corpo físico e todo mundo externo se tornam relativamente insignificantes. No entanto, não é um estado de egoísmo, mas sim de descolamento e generosidade. Leva-te para além do que pensavas ser “a tua identidade”. essa presença é essencialmente tu, e ao mesmo tempo é inconcebivelmente mais velha que tu.

Em vez de “observar o pensador”, você também pode criar uma abertura na corrente mental pelo simples fato de dirigir o foco da sua atenção ao agora. Basta que te faças intensamente consciente do momento presente.

Isto é algo por demais satisfatório. Deste modo, retiras a consciência da tua actividade mental e cria uma brecha sem mente em que estás muito alerta e consciente, mas não pensas. Esta é a essência da meditação.

Em sua vida cotidiana você pode praticar isso tomando qualquer atividade de rotina, que normalmente é apenas um meio para um fim, e dar-lhe toda a sua atenção para que se torne um fim em si mesma.

Por exemplo, cada vez que você subir ou descer as escadas em sua casa ou no seu posto de trabalho, preste muita atenção a cada degrau, a cada movimento, até mesmo a sua respiração. Não te..

Ou quando você lavar as mãos, preste atenção a todas as percepções sensoriais associadas com essa atividade: o som e a sensação da água, o movimento de suas mãos, o aroma do sabão, etc.

Ou quando entrar no seu carro, depois de fechar a porta, pare por alguns segundos e observe o fluxo da sua respiração. Toma consciência de uma silenciosa mas intensa sensação de presença.

Há um critério que te permite medir o sucesso alcançado nesta prática: o grau de paz que sentes dentro de ti.

O passo mais vital no teu caminho para a iluminação é este: Aprende a não te identificar com a tua mente. Sempre que crias uma abertura no fluxo mental, a luz da tua consciência torna-se mais forte.

Talvez um dia te surpreendas a sorrir para a voz que toca na tua cabeça como se sorris as travessuras de uma criança. Isto significa que deixaste de levar o conteúdo da tua mente tão a sério, e que o teu sentido de identidade já não depende dele.
Trecho do livro de Eckhardt Tolle: praticando o poder do agora

22228476_1452446571518763_4092384392498022381_n

por Patriciatarologasp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s