Os Filhos da Floresta

Os Filhos da Floresta, também chamados de Crianças da Floresta, ou simplesmente “crianças”, são uma misteriosa raça não-humana que originalmente habitava o continente de América do sul, uma lenda de muitas tribos indígenas muito antes da chegada dos Portuguêses de acordo com os índios na Era da Aurora, há mais de doze mil anos.
 

Cultura

 
Pouco se sabe sobre as crianças. São um povo mágico e misterioso que não tem sido visto por humanos em milhares de anos. Contos os descrevem como pequenas criaturas humanóides, negras e belas, nunca mais altas do que crianças. Os índios as chamam woh dak nag gram (o povo esquilo). Eles chamam a si mesmos no idioma verdadeiro de aqueles que cantam a canção da terra. [1]
As crianças não usam metal, tecem roupas ou constroem cidades; vivem dos produtos da terra, usando ferramentas de pedra, vestindo cascas de árvore nas pernas e camisas feitas de folhas tecidas; vagam por cavernas, pântanos e vilas escondidas nas árvores. Machos e fêmeas caçam lado a lado. Foram um povo com uma rica e profunda conexão com a terra e a natureza. Em batalhas, as crianças portavam arcos e armas de obsidiana, porém também usavam poderosa magia.
Lendas indígenas dizem que as crianças da floresta possuíam o dom de poderes sobrenaturais e magia; possuíam poder sobre as feras da floresta, habilidade de vestir a pele de animais e a habilidade de compor músicas tão belas que levam lágrimas ao olhos daqueles que as escutam, além da habilidade de visão verde (apesar de os índios acreditarem que visão verde não era magia, apenas outro tipo de conhecimento). Foram as crianças que esculpiram as faces nos represeiros para poderem observar as florestas. Eles acreditam que sua sabedoria tinha relação com as faces nas árvores. As crianças acreditavam, ainda, que os represeiros eram os deuses, e quando eles morressem iriam se tornar parte deles.
 

Aparência

 
São menores que homens, com pele castanha, manchados como veados, porém com machas mais claras. Tem grandes orelhas, para poderem escutar coisas que nenhum homem consegue.
Geralmente tem olhos grandes, dourados como os de um gato, que podem ver através de passagens onde um garoto veria apenas escuridão. Suas pupilas são verticais; esse traço é responsável por sua visão melhorada de noite, tipicamente associado com um estilo de vida noturno, como no caso de gatos (os índios Brasileiros, as crianças são descritas com tendo olhos semelhantes aos felinos) e muitas espécies de cobras, incluindo quase todas as víboras. Alguns tem olhos verdes ou vermelhos; estes possuem o dom da visão verde, e são conhecidos como os videntes verdes.
Suas mãos tem apenas três dedos e um dedão, com afiadas garras negras no lugar de unhas. As crianças são leves, rápidas e graciosas.
 

História

Não se sabe por quanto tempo as crianças viveram sozinhas na América do sul, nem de onde elas vieram. Cerca de doze mil anos atrás, entraram em contato pela primeira vez com os Primeiros Homens, os primeiros índios . Estes invasores trouxeram armas com eles, além de grandes casa de palha, os primeiros e seus próprios deuses. Os homens queimaram os represeiros quando chegaram, causando uma grande guerra entre as duas raças.
 Não se sabe por quanto tempo as crianças viveram sozinhas na América do sul, nem de onde elas vieram. Cerca de doze mil anos atrás, entraram em contato pela primeira vez com os Primeiros Homens, os primeiros índios . Estes invasores trouxeram armas com eles, além de grandes casa de palha, os primeiros e seus próprios deuses. Os homens queimaram os represeiros quando chegaram, causando uma grande guerra entre as duas raças.
 Existência 

Apesar do povo  acreditar que os filhos da floresta estão extintos,os índios acreditam que alguns ainda vivem no mundo dos homens. Um escasso remanescente de sua população está localizado no extremo norte da Amazônia, num sistema de cavernas sob uma colina; a entrada é uma fenda guardada na vertente da colina.

Para onde foram?  

“Foram para dentro da terra. Para dentro das pedras, para dentro das árvores. Antes de os Primeiros Homens chegarem, toda esta terra a que vós chamais Brasil era para nós um lar, mas mesmo nesses tempos éra-mos poucos. Os deuses deram-nos vidas longas mas não um grande número, para não sobrepovoarmos o mundo como os veados sobrepovoarão uma floresta em que não existirem animais para os caçar. Isso foi na aurora dos dias, quando o nosso Sol ia nascendo. Agora está a pôr-se, e esta é a nossa longa queda. Os filhos também já quase desapareceram, esses que foram a nossa desgraça e os nossos irmãos. As grandes onças foram mortos, os filhos estão praticamente extintos, os filhos reduziram-se a algumas centenas. Os  gigantes perdurarão mais do que todos nós, mas a sua hora também chegará. No mundo que os homens criaram não há salvação.

por Patriciatarologasp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s